Contrato de R$ 12 milhões em publicidade envolve conversas sobre propina

326 views

 

Recentemente, o presidente Laerte Gomes deu ordem para que a agência inicie a prestação de serviço do novo contrato

Novo prédio da Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia

O contrato de publicidade da Agência PNA com a Assembleia Legislativa de Rondônia envolve conversas sobre pedidos de propina.

O fato foi levado ao conhecimento do presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB), durante uma reunião com proprietários de veículos de comunicação.

Laerte vinha relutando em expedir a ordem de serviço para a agência, de onde partiu a revelação de que deputados estaduais estariam pressionando a empresa para obter algum tipo de vantagem financeira no contrato milionário.

Os empresários Claiton Pena e Alequis Campos, pai e filho, donos da PNA , chegaram a comentar, com interlocutores, que o próprio Laerte estaria “segurando” o contrato, sugerindo alguma intenção ilícita do presidente.

Com relação a outros parlamentares, a conversa também saiu da PNA e foi levada ao conhecimento de Laerte na reunião com os empresários da mídia.

Recentemente, o presidente Laerte Gomes deu ordem para que a agência inicie a prestação de serviço do novo contrato.

Durante a reunião com os representantes dos veículos de comunicação, Laerte demonstrou indignação com os boatos sobre a acusação envolvendo parlamentares, sem saber que os rumores maledicentes saíram da própria empresa contratada pelo Legislativo para zelar pela imagem do Legislativo. E que também envolviam seu nome.

Laerte tem adotado uma postura vigilante em relação aos contratos do Poder que preside e, de fato, segurou o quanto pode o contrato da publicidade, mas por questão de economicidade, como sempre reiterou aos empresários.

A própria ordem de serviço que ele autorizou agora pode ser cancelada para que se apure a denúncia, de forma que não pairem dúvidas sobre sua conduta e dos demais deputados.

Apuração que também deve ser feita pelo Ministério Público e Tribunal de Contas.

TUDORONDONIA

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA