Rondônia entre os estados com maior geração de empregos

131 views

No período foram abertas 593 mil vagas com carteira assinada no setor privado em todo o País

Foto ilustrativa.

Rondônia é um dos quatro estados que registraram avanço significativo na geração de emprego com carteira assinada no último trimestre do ano passado, conforme levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). Os outros três são Paraíba, Sergipe e São Paulo. Nesse período foram abertas 593 mil vagas com carteira assinada no setor privado em todo o País, sendo mais da metade delas em São Paulo, que gerou 324 mil postos formais a mais.

Com relação à informalidade, em 2019 o Brasil alcançou recorde em 19 estados, além do Distrito Federal. Na média nacional, a taxa de informalidade foi de 41,1%, o equivalente a 38,4 milhões de pessoas entre os trabalhadores ocupados. Mas esse porcentual subia a 62,4% no Pará. No Maranhão, 60,5% dos trabalhadores ocupados eram informais. No estado de São Paulo, a taxa de informalidade média foi de 32,0% no ano passado, também o nível mais elevado da série iniciada em 2016.
Segundo Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, o ano de 2019 é importante porque é o terceiro ano seguido com aumento na ocupação. Mas, conforme assinalou, outros indicadores mostram que a qualidade desse trabalho que está sendo gerado ainda carece de uma melhora.

Desemprego

Na passagem do terceiro trimestre de 2019 para o quarto trimestre do ano, a taxa de desemprego teve um recuo estatisticamente significativo em apenas nove das 27 Unidades da Federação. Em São Paulo, a taxa de desemprego desceu de 12,0% para 11,5%, movimento semelhante ao da média nacional, que saiu de 11,8% para 11,0% no período. No quarto trimestre de 2019, o País ainda tinha 11,632 milhões de desempregados, sendo 2,910 milhões deles em busca de emprego há pelo menos dois anos.

Com informações do Estado de S. Paulo.

 

Fonte: Por Redação Diário da Amazônia

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA